Como ser feliz sem sair de casa

Acredito que muitos já estão sabendo que o governo aqui está cancelando aulas, eventos estão sendo suspensos e atrações sendo fechadas.

Tudo isso é uma forma de tentar diminuir a transmissão do coronavírus. Quem passou pelo SARS em 2002-2003, já fica meio paranóico. Nós passamos por isso aqui, e eu lembro que meus pais íam ao hospital e tinham que colocar máscaras antes de entrar, lavar as mãos, manter distância… Meus pais são idosos, minha mãe faz tratamento 3 dias por semana, então aqui em casa nós sempre tomamos mais cuidado normalmente. Com a notícia desse novo vírus, nós estamos tentando ser mais vigilantes ainda.

Eu normalmente trabalho de casa alguns dias na semana, meu marido trabalha no escritório e usa o TTC. Desde a semana passada, ele começou a ir de carro para não ter que pegar o TTC. Essa semana, WHO/OMS declarou pandemia do vírus, e logo depois, o governo cancelou as aulas por 2 semanas após o March break.  Depois dessas notícias, como temos essa possibilidade, achamos melhor trabalhar de casa por enquanto.

No final do mês passado, eu fui no Costco e comprei algumas coisas que a gente normalmente não compra aqui em casa, como enlatados. Também comprei alguns remédios e itens de higiene pessoal para um caso de emergência, porque geralmente só compro mesmo quando não temos mais ou estamos quase sem. Nós já usamos o Instacart há algum tempo para compras, então não temos motivo pra sair por algum tempo. E Igreja, academia e restaurantes já não estávamos frequentando desde quando começaram a falar do vírus.

A nossa rotina não vai mudar muita coisa. Minha filha ainda não vai para a escola, então já estamos acostumadas a ficar juntas em casa. Enquanto eu trabalho, ela brinca, desenha, pinta, dança, pula, corre pela casa, e sim, assiste TV. Nós gostamos muito de passear, mas graças a Deus agora temos um quintalzinho e, pelo menos por enquanto, acho que dá pra fazer alguns passeios ao ar livre. Acho que o mais chato é a sensação de que “teremos” que ficar em casa. De qualquer forma, temos uma listinha de atividades e um monte de receitinhas para gente fazer e comer assistindo sessão cineminha em casa. E verdade seja dita, gosto de ter meus amores embaixo das minhas asas.

Mas isso tem me incomodado um pouco. Eu fiz um post no Instagram ontem falando sobre isso. Eu dou graças a Deus de poder trabalhar de casa, de poder fazer uma compra um pouco maior pra não precisar sair de casa. Enquanto isso me traz felicidade, também me traz uma inquietação saber que algumas pessoas, por vários motivos, não podem sair pra fazer uma compra maior; que algumas não tem condições financeiras de fazer uma compra maior; que muitas pessoas não podem trabalhar de casa, e que muitas delas não tem onde deixar os filhos, porque as escolas e camps estarão fechados; e sou muito grata as pessoas que trabalham nos hospitais e nos serviços de emergência, como bombeiros, paramédicos e policiais, e não consigo imaginar como eles e as famílias deles se sentem em relação a tudo isso. Quando eu começo a pensar nessas coisas, parece que minha cabeça dá um nó.

Esse post não é o post que estava agendado para hoje. Nós íamos falar sobre passeios e coisas legais para se fazer na cidade, mas achamos que ficaria um pouco desconexo do que está acontecendo hoje e resolvemos falar, cada um a sua maneira, sobre como ser feliz sem sair de casa. Eu peço desculpas por talvez não ter escrito de uma forma mais leve, mas é assim que estou me sentido, e eu simplesmente não consigo escrever de outra forma nesse momento.

imageedit_189_4299658375 (1).png

Esse texto faz parte do projeto #VidaNaGTA , onde eu e outros blogueiros falamos mensalmente sobre assuntos relacionados a vida na cidade de Toronto e arredores.

Não deixe de ler os posts dos outros blogs participantes:

Gabriela| Gaby no Canadá
Sil | Mundo da Sil

You may also like...

5 Responses

  1. Livi says:

    Paula eu acho que você transmitiu muito bem tudo o que está acontecendo. Compartilho do seu sentimento e acho que temos que pensar como nossas ações vão impactar no coletivo.

    Tomara que tudo isso passe logo para voltarmos a escrever sobre coisas mais leves.

    Beijos

  2. Gostei da sua abordagem, Paula. É um tema que mexe com todo mundo, não importa a localização geográfica que estamos, e portanto, precisa ser discutido sim. Fico feliz que vocês possam se adaptar e trabalhar de casa nesses dias. Creio que com o esforço coletivo, conseguiremos sair dessa fase mais rapidamente.
    Abraços!!!

  3. Sil says:

    Amei sua reflexão Paula e realmente precisamos agradecer pelos privilégios que temos em meio a essa situação e consequentemente em como poderemos nos apoiar como sociedade em meio as consequencias desse virus.
    Espero que tudo isso acabe logo para que todos possam voltar para suas rotinas com tranquilidade.

    Beijos

  4. Gabriela says:

    Achei sua reflexão muito semelhante a que eu fiz no meu post, pensamos muito parecidas! Beijos enormes

Leave a Reply

%d bloggers like this: